Por que fazer uma avaliação de empresa?

O mega investidor Warren Buffet disse: “Regra número 1 nos investimentos: nunca perca dinheiro. Regra número 2: nunca esqueça a regra número 1.”

Está parece uma premissa básica e óbvia, mas frequentemente é esquecida por alguns investidores. É claro que nenhum de nós está na posição de jogar dinheiro fora literalmente, mas você não concorda que isso acontece quando você compra algo por um valor mais alto do que ele realmente vale?

Na compra de um carro analisamos vários aspectos: interior, quilometragem, se há multas pendentes, entre outras questões de histórico do carro. Além disso, pesquisamos o seu valor de mercado na tabela Fipe, analisamos o preço em outras revendas, etc. O mesmo acontece na compra de uma casa: analisamos aspectos internos e externos (de mercado) do ativo.

Mas em uma empresa? O que você analisa antes de comprar ou abrir um novo negócio? Ou caso esteja vendendo, o que te levou a colocar determinado preço de venda?

Realidade brasileira

Esta é frequentemente a realidade para pequenas e médias empresas no país, em que os atuais sócios não conseguem definir de maneira técnica o valor da sua empresa. O resultado disso em uma negociação normalmente é prejudicial para uma das partes.

Apenas os sócios sabem os esforços que foram feitos para a empresa chegar ao estágio que se encontra hoje e vender a empresa por um valor que não é justo pode causar problemas financeiros e pessoais. No blog da NK Consultoria tem um post sobre empresários grandes do Brasil que venderam seus negócios e se arrependeram por diversos motivos. (http://www.nkconsultoria.com/newsletters/2015/4/24/vendi-e-me-arrependi)

O objetivo final de um processo de avaliação de empresa é fazer com que o preço de negociação reflita todos os aspectos internos e externos da empresa. Para isso, avaliamos a empresa com base no riscos associados à ela e na possibilidade deste negócio de gerar lucros futuros.

Como funciona?

A metodologia que engloba todos estes pontos para chegar à um valor justo pela empresa e é aceita internacionalmente é a do Fluxo de Caixa Descontado (em inglês, discounted cash flow – DCF).

Para utilizar esta metodologia, é preciso que o analista entenda muito bem a empresa e a dinâmica do setor, para assim projetar seus fluxos de caixa futuros. Essa projeção leva em consideração as vendas futuras, os investimentos que serão necessários na empresa (tanto em ativos fixos/permanentes como capital de giro), o comportamento de todos os custos e despesas no futuro, entre outros aspectos.

Com isso, a metodologia apresenta ao final do estudo um Raio-X completo da situação da empresa no momento e uma perspectiva de como ela poderá se comportar no futuro, trazendo para a pessoa que solicitou a avaliação, todas as informações necessárias para tomar uma decisão inteligente de investimento.

Quanto custa?

Mais que o preço do serviço é importante analisar o valor que ele tem para o empresário/sócio: a segurança de uma negociação justa e bem feita.

O preço para realizar este estudo varia conforme a empresa, em pontos como: número de funcionários, faturamento, qualidade dos dados históricos, etc.

O valor de todo o estudo normalmente é uma porcentagem muito pequena em relação ao faturamento da empresa, e principalmente, é um valor baixo em comparação ao ganho por ter realizado o processo de avaliação.

 

Caso queira mais informações sobre avaliação de empresa, utilização do método de fluxo de caixa, ou até para solicitar uma proposta, entre em contato pelo formulário abaixo: