Briga de gente grande em processos de M&A

Atualmente uma briga de gente grande está em evidência nos principais jornais especializados em finanças.

O HSBC passa por dificuldades e 3 grandes bancos privados tentam arrematar a posição do HSBC no Brasil, que teve uma avaliação inicial no intervalo de R$ 8 bilhões a R$ 12 bilhões.

A maior oferta partiu do Bradesco que pode pagar até R$ 10 bilhões de reais pelo concorrente e é o favorito a levar o ativo. Atrás do Bradesco está o Santander que fez uma oferta entre R$ 9 bilhões e R$ 10 bilhões. O Santander está na briga para acelerar sua expansão nacional. Ainda na disputa, o Itaú realizou uma oferta no piso (sugerido pelo assessor de toda operação, Goldman Sachs) de R$ 8 bilhões.

Segundo fontes do jornal Estado de S. Paulo e Exame.com, outros bancos de fora do Brasil que estavam interessados na compra não fizeram ofertas suficientes para passar desta “peneira”, entre eles principalmente bancos chineses.

O Goldman Sachs é o assessor de toda operação e pretende a partir de semana que vem afunilar ainda mais a disputa e apenas um candidato terá acesso às informações completas sobre a avaliação e realização de auditoria (processo de duo diligence).

Há ainda a incógnita de quem arcará com os custos das demissões que geralmente ocorrem em processos de M&A (fusão e aquisição, na sigla em inglês).

As informações são do jornal Estado de S. Paulo e da Exame.com.

UPDATE

O HSBC confirmou na segunda-feira (03/08/2015)  a venda da sua subsidiária brasileira em uma operação de US$5,2 bilhões, no câmbio atual, cerca de R$17,6 bilhões. Com a operação o Bradesco "encosta" no Itaú, que tem ativos de R$1,2 trilhões.

De acordo com um comunicado do Bradesco, com a operação, o banco assumirá todas as operações do HSBC no Brasil, incluindo Varejo, Seguros e Administração de Ativos, bem como agências e clientes. O Bradesco desde 1943 já realizou 48 aquisições.